Música do dia #234

234 de 365 – Veja bem meu bem

Los Hermanos é praticamente minha religião. E Maria Rita tem um lugar especial dentro do meu coração e dos meus fones de ouvido. E um dos motivos dela ser tão importante assim pra mim, além de ser filha da Elis, é que logo de cara, no primeiro disco, ela gravou três músicas do Marcelo Camelo, incluindo a música de hoje, parte integrante do disco dos barbudos Bloco do eu sozinho (2001). E o que é a letra de Veja bem meu bem? ❤

Artista: Maria Rita

Álbum: Maria Rita (2003)

 

Livro: Trinta e Oito e Meio

38 meio 2

Trinta e oito e meio é o primeiro livro de Maria Ribeiro, e esta não é a primeira vez que falo dele por aqui.

Há pouco tempo sofri uma crise horrível. Acredito que este tipo de coisa deva acontecer com muitas pessoas. Mas, fiquei meio sem chão, meio sem vontade de fazer inúmeras coisas e apelidei este período de “inferno astral” por se tratar de um interim pré-aniversário. No meio do inferno eu me deparei com muitos pensamentos ruins, muita falta de vontade e motivação. Num dado momento percebi que precisava sair do lugar e, entre muitas reflexões, sentada no sofá da sala, olhando fixamente para a estante vi o 38e1/2 lá. E comecei a lê-lo novamente. E os textos abriram minha cabeça para várias coisas. E o livro me ajudou mais uma vez.

Clarice Lispector dizia que, se o mundo fosse justo, as mulheres teriam direito a três vidas: uma para se dedicarem ao amor, outra à profissão e, uma última, à maternidade. Eu incluiria ainda uma existência inteira pra ir ao cinema e outra para conhecer o mundo(…) (p. 35)

Não sei porque digo mais uma vez porque não me lembro se estava em crise quando o li pela primeira vez, mas eu sei que os textos dessa vez me fizeram refletir de uma forma diferente. Chorei lendo vários, me peguei rindo em outros, de outros eu nem me lembrava. Mas, uma coisa é certa: as crônicas escritas pela Maria Ribeiro, depois que entram em nossa vida, não devem sair nunca mais. Qualquer texto escrito por ela.

Este primeiro livro foi um compilado de textos publicados em revistas, como a TPM. Já li e reli todos os que encontrei por lá. Continuo a acompanhando quinzenalmente em sua coluna do jornal O Globo. E como são boas.

Eu não me orgulho do que vou dizer, mas não gosto do verão. Pior: eu temo o verão. E me sinto humilhada por ele, como se não estivesse à altura de sua leveza e descompromisso e tivesse que ser feliz num volume que não sou capaz.” (p. 91)

Enfim, voltando ao 38, é um livro em que Maria expõe sua vida sem medo, com uma narrativa deliciosa e, por meio destas coisas que conhecemos como palavras, ela fala de filhos, casamento, divórcio, separação dos pais, amizade e tem até pedido de perdão. Ah, sim, e tem Los Hermanos. Como se não bastasse, Maria Ribeiro também dirigiu um documentário sobre os quatro barbudos que mais amo na vida. Como não amar essa pessoa? Ah, sim. Além de escritora ela é atriz (louca pra assistir Como Nossos Pais) e diretora.

Eu fui tão amparada pelos Hermanos que quis fazer um filme, como se ingenuamente quisesse congelar todos os ideais românticos que fui abandonando pela estrada.

Talvez o apego aos grupos de nossa juventude represente um sentimento abstrato que ao passar dos anos vai roubando de cada um de nós: a possibilidade de ser tudo e fazer tudo, a vida inteira pela frente, o mistério do porvir.” (p. 105)

Por tudo isso, foi quase uma catarse ler este livro às vésperas de completar os trinta e quatro. E o assunto de idade tem sido recorrente aqui no blog, mas não é obsessão é tentativa de entendimento.

Hoje, aos 34, longe da angústia dos 20 e já sabendo CPF e identidade de cor, minha ambição é abrir espaço no HD, numa espécie de movimento anti-MST do que dos meus pais e irmãos  permanece em mim mesmo com prazo de validade vencido. Eu sem eles.” (p. 19)

a

Quero ter coragem de deixar pra trás a juventude, e abrir de vez caminho para a maturidade, embora saiba que enquanto meus pais forem vivos continuarei um pouco criança (…) Quero filmar todos os dias que vivi e que não voltam mais. Quero filmar tudo.” (p.139)

Trinta e oito e meio me tirou do limbo dos maus pensamentos e me pôs num lugar confortável. Trinta e oito e meio é parte integrante e irremovível da minha cabeceira e está em meu kit de sobrevivência também, assim como os filmes da laís, los hermanos, pão de queijo quente e café fresco (ou um suco de limão gelado).

38 meio

***

Livro: Trinta e oito e meio

Autora: Maria Ribeiro

Editora: Língua Geral (1ª ed./2014)

Filme da semana: As patricinhas de Beverly Hills

patricinhas-loucuras-intrepidas.jpg

Como não amar este filme? É possível isso, Acredito muito que não.

As patricinhas de Beverly Hills é um filme muito bom que, lógico, marcou minha adolescência e eu o via todas as vezes que era exibido na Sessão da Tarde. O que acontecia umas cinco vezes por ano.

O filme conta a história de Cher (Alicia Silverstone), uma adolescente de um tradicional colégio de Beverly Hills, que resolve ajudar uma aluna recém-chegada à escola (Tai) a melhorar tanto o estilo, quanto as atitudes. Esta nova aluna é nossa saudosa Britanny Murphy, falecida em 2009. :/

Cher é uma típica adolescente norte-americana: rica, ligada em moda, popular e amiga dos populares e ricos da escola. A ideia de ajudar a Tai surge quando ela consegue juntar dois professores “caidinhos”. Fica tão empolgada com a felicidade dos professores, que resolve ajuda a menina, e transformá-la também.

O problema é que o tiro acaba saindo pela culatra quando Tai começa a ficar mais popular e a chamar mais atenção do que Cher. E o pior é quando Cher percebe que está apaixonada pelo mesmo menino que Tai.

Ah, os problemas adolescentes!

O filme é muito bom, principalmente por ser despretensioso. Até hoje, quando é exibido assisto e me divirto. Dizem que o filme virou série de TV e de livros. Disso eu não cheguei nem perto. 🙂 Ah, e me parece que ele é superficialmente (lógico) inspirado no livro Emma, de Jane Austen. Será? (tô perguntando porque eu não li o livro, logo…)

Com direção de Amy Heckerling, completam o elenco Stacey Dash (Dionne), Paul Rudd (Josh), Dan Hedaya (Melvin), Breckin Meyer (Travis) e Jeremy Sisto (Elton).

***

Filme: As patricinhas de Beverly Hills (Clueless)

Diretor: Amy Heckerling

Ano de lançamento: 1995

Dia 33

Fico pensando: qual é o momento em que nos tornamos adultos? Existe um episódio épico, uma porta mágica, uma rua ou uma fresta que nos faça entrar neste período e termos a certeza? Biologicamente, dizem, é a pessoa que atingiu sua capacidade reprodutiva. Eu pensei que era por volta dos 25 e que antes disso era considerado “jovem”. Apenas jovem, estes seres superiores que podem ler livros como a culpa é das estrelas sem culpa. Muito interessante. Mas, nós que já atingimos quase dez anos desta meta, ainda continuamos nos perguntando: quando?

Eu, falando na primeira pessoa do pural, não sei porque. Voltemos, ou melhor, voltarei a reflexão anterior: quando eu percebi que já era adulta? Acho que os primórdios desta sensação veio quando passei no vestibular, aos 18 ou 19, e percebi que não tinha um centavo pra fazer faculdade e universidade pública em minha cidade ainda era promessa política.

Fui com a cara e a coragem e consegui a grana pra matrícula, a fiz e comecei o curso de Jornalismo. Quando o primeiro boleto chegou percebi o tamanho do compromisso. Primeiro indício.

Hoje, olhando pra trás, devo agradecer aos trabalhos difíceis, mas importantes, que me fizeram chegar onde estou hoje: balconista/vendedora de discos e caixa de padaria. Não menosprezo de maneira alguma estas profissões, pelo contrário, as respeito e agradeço. Mas agradeço principalmente por já terem passado. O período no qual estive nestas funções foi um dos mais árduos e difíceis. Era o início da minha “adultice” e eu nem imaginava.

O tempo passou e eu vivendo minhas ilusões e criando amigos imaginários, ouvindo músicas tristes e românticas e escrevendo neste local para vocês, meus queridos cinco ou dez leitores. Prefiro pensar que são oito por mero acaso. Oito é o número da minha vida, mas não quero me perder do assunto principal que é crescer.

Outros indícios são família, casamento, casa, cuidado, responsabilidade. A vida adulta nos exige muito, mas acho justo. É justo cobrar pela liberdade, mesmo que forjada.

Crescer dói, mas é bom, muito bom. Mesmo com as amarras criadas pelo tempo.

Há oito dias cresci mais um pouco. No último dia oito completei trinta e quatro. E assim a vida passa, evolui e as coisas tendem a acontecer e a continuarem evoluindo. Não tem como fugir da realidade, já sou crescida o suficiente para saber disso, mas também não quero me forçar a fazer o que não quero. Faz sentido? Espero que sim.

Continuo gostando de filmes, músicas, séries, livros (meu último hábito e maior amor) e escrevendo também.

Escrever me liberta a alma e as amarras impostas pela dureza da vida adulta, que tende a ser mais leve conforme nos permitimos. Um ótimo hábito que quero ter aos trinta e quatro: ir ao cinema comigo. Sim. Este foi meu presente de aniversário para a mulher que acabara de completar trinta e quatro e que não começou o dia dos trinta e quatro muito bem. Aquela tela imensa logo a frente. Num canto água, noutro pipoca e chocolate, e uma boa história. Fui feliz naquela tarde. Não há tempo a ser perdido.

A vida começa em nosso primeiro suspiro. E devemos seguir.