É a música que faz a canção (Parte 1)

Há tempos venho pensando nesta obviedade, e agora decidi compartilhar isso com todos.
Não sei, claro, se conseguirei expor tudo que minha cabeça pensa e pensou sobre o assunto.
Sempre penso.
Letra e música são coisas muito distintas.
Não sou musicista, não toco instrumento algum. eis minha frustração.
Mas sei escrever, não muito bem, mas sei. E sei ler também.
Reconheço de longe todas as letras do alfabeto e, por isso, sempre gostei de desvendar as letras das músicas.
Que história ou estória cada canção carregava.
E nesta viagem eu sempre ficava pensando e se esta não fosse a música dessa letra, como esta canção seria?
E aí surgem versões muito loucas que conseguem provar o que meus pensamentos malucos pensam, vejam só, ou melhor, escutem:

Pois é né. Nunca pensei que fosse postar kelly key no meu blog. Mas é só uma comparação contemporânea. E tem mais:

É. Balão Mágico cantado por Tiê. Adorava esta música, ou melhor, esta canção quando era criança. Agora ela me encontrou novamente. Adorei. E tem mais. Até o Caetano. Se bem que ele as vezes tenta, mas não consegue. Mas a versão emepebística da próxima música ficou legalzinha:

E para finalizar esta primeira leva deste ” A música faz a canção”, um funk que virou canção de ninar, uma fofura:

aí então ela se transformou:

A música (e a canção) tem dessas coisas. Depois trarei ou canções que se transformaram (ou não) num dedilhar de um violão. Não era para rimar, mas tudo bem.
Até o próximo post descartável.