sexta-feira.

o dia mais esperado da semana.
o dia mais buscado. e o pior de todos.
na sexta é o deadline.
na sexta é quando tudo se resolve.
a sexta é o dia sem fim.
é o dia dO fim.
dia que deveria durar, ao menos, umas 48h.
para dar tempo de tudo.
inclusive de perceber que já chegou a sexta-feira. 
músicas, livros, dias vazios.
cheios de vida, amor e dor.
dias de sol, prefiro os de chuva.
dias azuis, prefiro os cinzas.
prefiro os cheios de músicas, solitários.
prefiro as nuvens, dançando no céu.
e o vento leve, correndo no chão.
prefiro eu mesma, à todo o resto.

preciso, claro, falar de meu novo vício, um que entrará no top três dos que mais me marcaram.
ano passado fiz uma postagem, em que eu dizia do que senti quando ouvi elis pela primeira vez e do que senti quando ouvi amy pela primeira vez. nesta lista devo, neste momento, acrescentar adele. sim.
confesso que no início relutei em ouvi-la, pois amy era mais que suficiente, mas fiquei órfã, e muito triste quando soube do que havia acontecido. enfim. mesmo assim, não ouvi adele.
mas, o tempo passa, né? e, com ele passando, não consegui não ouvir “rolling in the deep”, muito forte. comecei a prestar atenção. há uns dois meses, escutei “one and only” aí sim  eu comecei a perceber. tudo fez sentido, ficou tudo muito claro. escutei o disco todo milhões de vezes, amei a versão de “lovesong” do the cure, banda que gosto demais também.
bom, só sei que viciei, muito. estou naquele momento de transe em que a música parece um mantra, o “21” inteiro, rolando sem parar na minha cabeça, na minha vida, muito doido.
elis, amy e adele. trio que conseguiu marcar minha vida. só espero que a adele dure mais, né? muito mais.
segue abaixo a letra da música que eu mais gosto e logo depois o vídeo:

“You’ve been on my mind,I grow fonder every day,Lose myself in time,Just thinking of your face,God only knows why it’s taken me so long to let my doubts go,You’re the only one that I want,
I don’t know why I’m scared,I’ve been here before,Every feeling, every word,I’ve imagined it all,You’ll never know if you never try,To forgive your past and simply be mine,
I dare you to let me be your, your one and only,Promise I’m worthy,To hold in your arms,So come on and give me a chance,To prove I am the one who can walk that mile,Until the end starts,
If I’ve been on your mind,You hang on every word I say,Lose yourself in time,At the mention of my name,Will I ever know how it feels to hold you close,And have you tell me whichever road I choose, you’ll go?
I don’t know why I’m scared,‘Cause I’ve been here before,Every feeling, every word,I’ve imagined it all,You’ll never know if you never try,To forgive your past and simply be mine,I dare you to let me be your, your one and only,I promise I’m worthy, mmm,To hold in your arms,So come on and give me a chance,To prove I am the one who can walk that mile,Until the end starts,
I know it ain’t easy giving up your heart,I know it ain’t easy giving up your heart,Nobody’s perfect,(I know it ain’t easy giving up your heart),Trust me I’ve learned it,Nobody’s perfect,(I know it ain’t easy giving up your heart),Trust me I’ve learned it,Nobody’s perfect,(I know it ain’t easy giving up your heart),Trust me I’ve learned it,Nobody’s perfect,(I know it ain’t easy giving up your heart),Trust me I’ve learned it,
So I dare you to let me be your, your one and only,I promise I’m worthy,To hold in your arms,So come on and give me a chance,To prove I am the one who can walk that mile,Until the end starts,
Come on and give me a chance,To prove I am the one who can walk that mile,Until the end starts.”

quase choro. mas, como ela mesma diz, “esta música é tão triste e tão feliz”, que eu nem sei o que sentir.

capítulo um

depois da briga na noite anterior, tentando entender melhor a situação, um amigo pergunta ao outro:
– eu tô fazendo ela sofrer?
e outro responde:
– sim. vocês dois estão sofrendo, mesmo depois do fim. mesmo tendo acontecido há tanto tempo, vocês dois estão sofrendo, é possível ver nos olhos de vocês.
– mas, hoje tenho outra vida, encontrei outra pessoa, gosto muito dela, não quero vê-la sofrer, nenhuma das duas.
– por isso precisa escolher, do jeito que está, todos sofrem.
(pausa. longa pausa)
o amigo senta-se, coloca a mão na cabeça e sente uma lágrima escorrer dos olhos.
– quando a vi, depois de todo este tempo, senti tudo de novo, tudo que vivi há 15 anos. todas as primeiras sensações, todos os primeiros momentos, tudo veio à tona. mas, agora, estou diferente, vivo uma vida diferente daquela, não sei o que fazer.
– tem coisa que não deve ser negada, não deve ser complicada, deve, simplesmente, ser vivida.
– e tem coisas que foram boas por um tempo, infinitas por um tempo mas que agora…. eu não sei bem. tento dizer que, o que foi bom no passado, deveria servir somente como uma boa lembrança… porque… porque as vezes é difícil realocar o passado no presente… mudamos tanto, me apaixonei por outra pessoa, vivo uma vida com ela agora, não quero nada diferente.
o outro, percebendo a dificuldade, o sofrimento do amigo.. tentou mais uma vez.
– o amor, por um, já é difícil. o amor por dois, no seu caso, por duas, é impossível. mais uma vez lhe digo, faça sua escolha. remexer sentimento é ruim. se você sofre, é porque o passado vive em você. seu sentimento por ela vive, habita seu coração. eu sei que é duro, sei que é doído, mas faça sua escolha.
– mas reviver tudo isso, rever todos vocês deveria ser bom. éramos um grupo tão unido, porque nos separamos? quando foi que decidimos que tudo deveria acabar?
– a escolha foi de cada um. cada um seguiu seu caminho. éramos muito novos, fizemos muitas coisas loucas e boas, mas um dia precisávamos crescer, precisávamos respirar outros ares, conhecer outras  pessoas. mas, não sei porque, tudo agora parece tão errado.
– o errado é relativo, as vezes, depende do que você sente. assim como a verdade.
– todo este (re)sentimento, se é que você me entende, sentir tudo isso de novo… não sei o que fazer. preciso dormir, preciso pensar.
– faça isso. amanhã conversaremos.

sinto o ardor do vento em meu rosto.
sinto o sol me queimar.
passeio entremeio às ávores, muitas caídas, muitas verdes.
não entendo bem o que há, o que está por vir, o que está para ser.
o que de errado há. ao contrário do certo.
tudo está mudando muito rápido.
me sinto bem, feliz, coisa rara.
sem preocupações.
sintonizados.
sinto esta sintonia.
o problema maior? os outros.
o olhar dos outros. a pergunta dos outros. a fala dos outros. os outros.
ter de agradar Deus e o mundo. agrado a Deus. o mundo, é muito pra mim.
com Deus eu converso em silêncio. com o mundo eu brigo gritando e ninguém me escuta.
escuto meu coração. tenho paz de espírito.
agora, sinto a brisa leve do vento. o cheiro bom das flores no campo. e o girassol, à procura da luz.
a minha, acho que já encontrei.

“sem a música a vida seria um erro”. nietzche disse isso. eu já escrevi isso por aqui. uma vez, acho.
mas a cada dia, acredito mais. gosto muito do silêncio, já escrevi aqui também sobre ele.
mas gosto mais dos sons.
gosto do silêncio das palavras, mas gosto de ouvir canções. me tranquilizam. me deixam feliz.
e a cada dia descubro mais e mais novas canções, novas músicas.
e isso me anima. me dá vida e vontade de prosseguir.
através das músicas e das letras que as acompanham resolvo problemas e descubro o que de errado há no mundo. sem a música, minha vida seria um erro.