dois mil e dezessete

Aqui estamos, as vésperas de dois mil e dezessete. O tempo correu tanto, mas ao mesmo tempo passou tão devagar. É uma coisa que eu não consigo explicar. Quando, em 2005, criei meu primeiro blog, não imaginava que chegaria tão longe. Sério mesmo. Não imaginei muito, mas um blog de poesia ou textos pessoais estava longe de cogitação. Aí veio o Loucuras Intrépidas. O nome se deu porque, na época, eu era repórter de um programa da faculdade e fazia de tudo: roteiro, reportagem e edição. E o apresentador, sempre que se referia a mim, dizia: “vem aí nossa intrépida repórter” rs. Serviu de inspiração. As loucuras foram por minha conta. Era o que parecia. Expor tantos sentimentos na internet. Mas deu certo. Tanto que estamos aqui hoje, as vésperas de dois mil e dezessete. Às vésperas dos dez anos. ❤

facebook

Ao longo do primeiro semestre do novo ano que já está praticamente aí, rebuscarei conteúdos antigos, criados nestes dez anos. Muitos eu nem me lembro. Está aí uma grande verdade, mas será prazeroso fazer esta viagem. Além disso, trarei algumas categorias novas. Escreverei mais sobre música, cinema, livros. Além de mim, claro.

Então, 2017 tem tudo para ser um ano melhor. Pelo menos por aqui.

Que neste ano que se inicia, possamos fazer o melhor pra nós e para os que nos cercam.

Sejamos amor! ❤

Troco Likes

Sobre descobrir. Ou gostar.

Eu já conhecia suas músicas, sobretudo em inglês. Essas eram sempre minhas preferidas. Tive certo preconceito quando comecei a ouvi-las em português. Parecia que não combinavam.

O tempo passou e My Girl continuou tocando no player. 

Como gostava também das fotos, comecei a acompanhar o artista pelo Instagram, depois curti a página no Facebook. Acho que não o encontrei no Twitter. Não me lembro, agora.

O tempo passou e comecei a ter outra percepção sobre este artista, principalmente depois das fotos. Passei a vê-lo em turnê por todo o Brasil. Achei interessante.

Eis que, mais uma vez, o tempo passa, algo que é lógico, e um amigo me convida para participar de um projeto. A música principal, que seria de certa forma a espinha dorsal, que comporia, junto ao vídeo, o ápice, era linda, Coisa Linda.

A partir da gravação do curta-metragem, (re)conheci este artista. Por esta música, que não conhecia, me apaixonei à primeira audição. Pelas demais foi coisa de tempo, sempre ele.

Logo após a experiência, me deparei com um dueto e um videoclipe também perfeitos.

Confesso, agora, ser admiradora deste artista. Aguardo ansiosamente o lançamento do filme-show, todo gravado em plano sequencia. Não conheço outro artista que tenha tido ideia tão boa para a gravação de um show.

Eu, como videomaker, fico analisando o preparo físico do cinegrafista, a atenção redobrada para para acertar cada frame. O diretor, sem poder piscar. O técnico de som, prestando a máxima atenção. O roteirista do show, assistindo ao milagre. E o público, acompanhando com amor esta retribuição do próprio.

Tiago Iorc, o artista, hoje, e sempre, terá todo o meu respeito. E, se estiver a fim, Troco Likes. 

  A ideia:

 

Fragmento do resultado:

🙂

COPPER BOOM!!!!!

gilmoregirls_banner

Há exatamente duas semanas, no dia 25 de novembro, o Netflix liberou um dos lançamentos mais esperados do ano: Gilmore Girls – Um ano para recordar. Por mim com certeza foi muito esperado. Gilmore foi uma série muito importante, inclusive, para minha formação pessoal.

É uma série lotada de referências, que sempre citou diversas áreas, como literatura, cinema, política e música. Por isso, também, Gilmore sempre foi importante. Já fiz um outro post sobre a série, no dia oito de agosto deste ano, leia.

Agora, quase dez anos após o fim da série clássica, fiquei muito interessada por saber como estariam aquelas personagens e, para minha surpresa, elas estavam exatamente como ainda me lembrava. Emily, Lorelai e Rory, cada uma a seu modo, estavam enfrentando desafios, dificuldades e procurando formas de superar todos os percalços daquele ano.

O que dizer do revival? Me senti abraçada. Elas estavam ali o tempo todo e agora nos deixaram dar mais esta espiada no cotidiano tão caloroso de Star Hollow. Muitas pessoas criticaram muitas coisas no revival. Concordo que, em alguns momentos, certos diálogos foram longos e desnecessários mas, no geral, amei demais.

(foto: reprodução Netflix)
2-2

Reviver tudo aquilo e voltar para Stars Hollow aqueceu meu coração

De 2000 a 2007 a série foi exibida e teve, ao todo, sete temporadas. Dessa vez, ganhamos 4 episódios, ou melhor, quatro filmes de 90 minutos. Cada um deles se passou numa estação do ano. Ao todo, acompanhamos um ano da vida das garotas.

a-year

A análise que posso fazer é que Gilmore é tão boa porque condiz com a verdade de muitas mulheres. É ficção? É ficção, mas ao mesmo tempo nos faz refletir a forma como lidamos com as expectativas alheias, o quanto isso pode ser positivo para nossa formação, ou não.E isso é apenas um dos detalhes.

Nestas duas semanas, acompanhei incansavelmente o que outros fãs e admiradores da série entenderam deste reencontro. Muitas pessoas, na minha opinião, caíram de paraquedas e conheceram a série agora, por causa de toda a divulgação, e não entenderam bem o espírito dos personagens e da cidade.

Rory sempre foi a menina perfeita, bajulada pela cidade e pela família. Teve uma ótima formação acadêmica, porém, faltou maturidade no caminho. Rory é rica: é praticamente única herdeira dos Gilmore e, por parte do pai, precisará dividir com a meia irmã, toda a grana herdada por ele. Tudo bem que isso não é motivo para não levar a sério as conquistas, Rory teve uma ótima professora, a própria mãe. Mas, da mesma forma que Lorelai fez suas próprias escolhas há 32 anos atrás, assim fez e faz Rory agora, em 2016.

Lorelai, a seu modo, continua levando a vida e colhendo os frutos de seu principal empreendimento, o Dragonfly Inn. Sua pousada, um tanto antiquada, guarda dentro de si o que Stars Hollow é. Mesmo na tentativa de modernizar os estranhos festivais, com a  tentativa fracassada da realização de uma parada gay, a cidade meio que parou no tempo. Assim como Luke, o dono da lanchonete que permaneceu com o mesmo boné e mesma camisa de flanela. O ponto positivo é que ele e Lorelai estão juntos. Mas continuam não confiando plenamente um no outro. Vide as mentiras que Emily percebeu. Os dois não sabiam pequenos detalhes da vida um do outro.

Sobre Emily, ela passa por um momento muito delicado. A morte de Richard a fez repensar inúmeros atos feitos por ela ao longo da vida. Este, o momento do funeral, é um dos mais tristes do revival. O interessante é que Emily consegue ficar os quatro episódios com a mesma empregada. Percebe-se aí que a personagem frívola ganha humanidade. Ela abre sua casa para estranhos e se encontra no meio daquelas pessoas.

Enfim, o que posso dizer é que todas as Gilomore enfrentaram um mar muito agitado durante os quatro filmes. Uma delas ainda passará por um desafio e até julgamentos, talvez. Quem já assistiu ao revival sabe. O clico de repete? Acredito que sim, e faz todo o sentido que isso aconteça.

Sobre os dilemas vividos por Rory (sim, por mais chata que talvez ela se pareça, é a personagem com quem mais me identifico), já passei por muitos. Eu e Rory temos a mesma idade, sou um ano mais velha que ela. A diferença entre nós é que sou casada. Mas somos jornalistas e vivemos na corda bamba com a escolha desta profissão. Conheço pessoas que conviveram comigo na época do colégio e que hoje estão no topo. A outra diferença é que Rory é muito rica, né? Ela sempre será amparada. Se eu não colocar meu pezinho na estrada, não terei nada, não construirei nada.

Enfim, em Gilmore vejo muitas realidades. Por isso amo e defendo esta série e seus personagens. Assim que terminei de assisti-la, no dia 25, corri pra cá e escrevi um texto gigante e deixei no rascunho. Deixei minhas emoções se acalmarem para que eu pudesse escrever de maneira mais clara. Acredito que tenha conseguido.

rs_600x600-160411063250-600-gilmore-girls-revival-netflix-5-ch-041116

Abaixo, seguem quatro listas dos principais acontecimentos e alguns spoillers:

OY WITH THE POODLES ALREAD!!! 🙂

Lista de acontecimentos em “INVERNO”:

Morte de Richard
Aparecimento de Jason Stilles
Logan em Londres
Aparição da Paris
Separação de Paris e Doyle
Terapia em família
Rory está tentando escrever um livro
Reunião da Hep Alien
Barriga de aluguel
Michel agora tem um marido, que quer um filho
Sookie saiu do Dragonfly Inn
Öoo-ber
 .

gilmore-girls-revival-richard-funeral

.

Lista de acontecimentos em “PRIMAVERA”:

Pai da Lane (sim, o Sr. Kim aparece)
Diretor Charleston
Francis
Aulas em Chilton
Terapia
Jackson (sem a Sookie 😦 )
Rory sem trabalho
Michtum Huntzberger
April (A filha do Luke)
O segundo curta-metragem do Kirk
.
.

paris

.

Bônus: umas das melhores cenas, hahahaha.

gilmore-girls-revival-ending-fall-final-four-words

.

.

Lista de acontecimentos em “VERÃO”:

Stars Hollow Gazet
Jess aparece
A ideia do livro
O musical
A noiva do Logan foi morar com ele (Sim, ele está noivo e continua saindo com a Rory.)
A melhor supresa: Carole King cantou. Durante três segundos, mas cantou.
.
.

jess

.
.

E agora, breves palavras sobre o melhor de todos os filmes: o “OUTONO”.

Por que ele é o melhor? Porque é nele que aparece umas das cenas mais legais de todas, apesar de haters que não entendem muito bem o espírito de Gilmore terem odiado. Eu amei. Por isso nem vou falar muito, assiste aí (e perceba a referência)

É neste episódio que Lorelai resolve viver a mesma experiência que Reese Wetherspoon em Livre, mas ela se baseia no livro. Como eu não vi o filme nem li o livro, não consigo traçar um panorama do que Lorelai estava procurando, mas eu sei bem que no fim ela consegue.
E é neste episódio também que Luke e Loreai tomam uma linda decisão e resolvem se casar.
.
.
luke-e-lor
 .
 .
E, por fim, é no outono que nós conhecemos as tão aguardadas quatro últimas palavras.
O ciclo se fechou. Completamente.
tuite_gilmore_girls_circle_of_life__2016-11-26

Impossível discordar desse tuíte!

Então, é isso tudo. Aqui eu escrevi brevemente umas coisinhas e muitas outras aconteceram. Muitas outras pessoas apareceram e eu, agora, estou assistindo novamente pra guardar o máximo de detalhes desta incrível história. Preciso admitir que Amy Sherman-Palladino  é foda! Por mais séries como Gilmore Girls. Não sei se quero mais episódios, a série terminou da maneira que deveria terminar. Talvez há nove anos faria mais sentido, já que agora Rory já é adulta e já sabia muito bem o que não fazer para acontecer o que aconteceu, não é mesmo?

 .

.

Lista de acontecimentos em “OUTONO”:

 .
Dean (o melhor namorado da Rory, e olha que eu sou team Logan)
Sookie (Sim, ela aparece por dez segundos, mas aparece. Com a voz diferente, mas aparece).
Miss. Celine (lembra a velhinha costureira? Ela aparece mais jovem, mas aparece)
O olhar de Jess
A brigada de vida e morte ❤
O casamento de Lorelai e Luke
Emily trabalhando (sim)
As quatro últimas palavras
.
.
 .
 .
copper-boom
 . 
copper-boom-2
 .
 .
E o tanto que eu não gritei, pulei e chorei quando vi isso. Eu e minha irmã. Voltamos mais uma vez na cena pra ter certeza. E era isso mesmo. Acabou. O ciclo se fechou.
 .
Gilmore Girsl continua sendo a melhor série da vida e matar a saudade desses personagens foi uma das melhores coisas que aconteceram em 2016. ❤
 .
Como bônus, assista a última cena, o último diálogo, no coreto, gazebo, primeiro e último lugar do revival:
 .

Um adendo: The Lumineers

Chamo este post de adendo, porque ele acrescenta ao post de ontem estes belos vídeos da banda de folk norte-americana The Lumineers. O conjunto dos vídeos, até então lançados, nos fazem viajar e conhecer a história de cada um dos personagens que habitam nas músicas do disco Cleopatra, lançado em 2016.

Como bem descrito em seu website, a banda tem uma incrível habilidade em ajustar uma história visual à música, através das paisagens acústicas delicadas, enganosamente simples. O que pode ser percebido no cuidado do trato com o roteiro e na escolha das imagens. Nos vídeos, histórias e personagens se cruzam, nos dando a impressão de que todas as histórias, no fim, são apenas uma.

Ophelia

Cleopatra

Angela

Sleep On The Floor

Curta um curta!

Hoje, começa no Rio de Janeiro o Rio WebFest que é:

a rodada final da Web Series World Cup, campeonato internacional de web séries, criado pelo blogger correspondente do Jornal Liberátion, Joël Bassaget. O primeiro round começa em Buenos Aires, seguido de Vancouver, Miami, Austin, Washington, Montreal, Valência, Melbourne, Ústica, Berlim, Marselha, Bilbau, Seul e Londres.

(fonte: site do festival)

Aproveitando a deixa, fiz uma breve lista com alguns webvídeos, também conhecidos como curtas-metragens – independentes, experimentais, de todo o tipo, incluindo videoclipes – que chamaram a minha atenção. Portanto, se joga nesta listinha marota 🙂

Hoje eu não quero voltar sozinho (2011 | Direção: Daniel Ribeiro)

Edição (2015 | Direção: André Pilli)

O lobinho nunca mente (2007 | Direção: Ian SBF)

Another Brick In The Wall (1982)

Laços (2009 | Direção: Flávia Lacerda)

Romeo (2014 | Direção: Rafaela Carvalho)

Le Queloune (2008 | Direção: Patrick Boivin)

Passarinhos (2015 | Direção: Rafael Kent)

Snapchat – o filme ( 2016 | Direção: Gustavo Stockler)

Helium (2013 | Direção: Anders Walter e Kim Magnusson)

É claro que não poderiam faltar produções da cidade do divino, também conhecida como Divinópolis:

Ninguém pode te ouvir (2016 | Direção: Alisson Resende)

Carona ( 2016 | Direção: Alisson Resende)

Cochabamba (2013 | Direção: Diêgo Garcia)

Milho (2013 | Direção: Diêgo Garcia)

Analógico (2015 | Direção: Isabella Marques)

Bônus track: o filme produzido por Kirk, o personagem mais múltiplo de Gilmore Girls:

Até a próxima! ❤