O livro do mês – Vale Tudo: O som e a fúria de Tim Maia

Neste livro, Nelson Mortta narra toda a história de Tim Maia, do nascimento à morte.

Tim sempre se demonstrou furioso, mas justo com aqueles que conviviam com ele. Sempre muito explosivo, conseguia o que queria e também o que não desejava.

Faltar aos shows, ou deixar todo e qualquer produtor louco, era regra. Era regra também o consumo diário de bauretes.

Tim montou sua primeira banda, os Spotniks, ainda jovem, com os amigos Roberto e Erasmo. Numa apresentação do grupo num programa de TV, Roberto acabou chamando mais a atenção, o que impulsionou o início da Jovem Guarda.

Mais tarde, Tim procura Roberto para lhe apresentar uma música escrita especialmente para ele. Mas, àquela altura, o rei estava querendo mais balanço. Foi aí que ignorou a balada “Você” e fez com que Tim escrevesse “Não vou ficar“, música que marcou a carreira de Roberto Carlos.

Antes disso, Tim morou durante dez anos, se não me engano, nos EUA e acabou sendo preso e deportado. Chegando ao Brasil, mais pobre do que quando partiu rumo à América, Tim acabou sendo preso novamente, após auxiliar um amigo num roubo.

Mas, com o tempo que viveu nos Estados Unidos, Tim aprendeu inglês, e como os negros dos guetos novaiorquinos, falava muito bem e sem sotaque. Dessa forma, mesmo estando preso, conseguiu um trabalho como guia turístico em sua terra natal: a cidade do Rio de Janeiro.

Acima cito duas das histórias mais interessantes da vida de Tim Maia. Sinceramente, chega um momento em que o livro se torna repetitivo. Tim era tão desregrado, que a vida dele e os acontecimentos pareciam um círculo vicioso. Exceção dessa regra foi a mudança radical após conhecer a “cultura racional” e o “racional superior”, o que lhe rendeu dois discos.

Após cair em si, Tim desgostou desse trabalho. Foi a primeira vez que precisou começar do zero. Depois, foram muitas as vezes.

Enfim, Sebastião Rodrigues Maia é tudo o que diz o título e muito mais. A cinebiografia lançada em 2014, e baseada neste livro, mostra apenas a superfície do que foi este gênio da música black brasileira.

Entre altos e baixos. Erros e acertos, Tim, no fim das contas, conseguiu deixar um legado como poucos.

***

Livro: Vale Tudo – O Som e a Fúria de Tim Maia

Autor: Nelson Motta

Editora: Objetiva (2007)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s